14 outubro 2013

O Melhor Amigo do Meu Irmão - Capítulo 1. Colegial



O despertador tocou e a realidade veio à tona. Era um novo dia. O sol iluminava o céu daquela manhã, ele ainda começava a ficar azul. Clima fresco, uma leve brisa. Ainda eram seis e quarenta. Joguei os braços para fora do casulo acolhedor que estava meu cobertor e comecei a tatear o criado mudo a procura dele. Tirei a coberta do rosto quando minhas mãos não encontraram o despertador, ele estava no fim do criado mudo, eu me ajoelhei na cama e me estiquei para desligá-lo, em um momento de desequilíbrio minhas mãos pegaram o nada e eu cai da cama, batendo as costas e todas as partes do corpo que tinha direito no Skate do meu irmão. Que diabos aquela coisa estava fazendo aqui?



Ouvi passos ligeiros na direção do meu quarto e a porta rangeu. Droga!Droga! Você está tão ferrada Nina. Agora eu sabia o porquê do skate estar ali, Paul planejou isso, agora o porquê é desconhecido. Porque eu tinha um irmão mais velho mesmo? Ah, lembrei, meus pais foram apressadinho demais e fizeram essa criatura que não se pode chamar de humano porque seria até ofensa.

  A minhoca desengonçada já acordou, e vejamos, ela é tão inteligente que tentou andar de skate e acabou caindo.  Disse ele debochadamente. Às vezes eu acho que meu irmão sofre de alguns distúrbios, alguns não, vários.
  Vaza daqui!  Eu gritei e tentei me levantar o que foi um real fracasso, já que a coberta estava enrolando em meu corpo. Assim que o idiota saiu do meu quarto, eu me levantei devagar e fui desligar o despertador. Sentei na escrivaninha e abri meu computador, entrei em todas as redes sociais, e bem, no facebook havia uma movimentação estranha, quando vi que meu irmão tinha postado algo com uma foto, suspeitei e abri: “Vê se pode uma minhoca tentar andar de Skate?”

Logo fui no quarto do meu irmão pisando com passos firmes e barulhentos.

 Que merda foi aquela que você postou? Não tem nada mais interessante do que me infernizar?  Disse de cara feia.
Ele sorriu e disse:
 Não.


 Estou prevendo que num futuro muito próximo, mais muito próximo mesmo, eu serei filha única. Todos tem um ponto fraco, e nas circunstâncias que eu estava não poderia ignorar que Paul tem um. Na verdade, ele e todos os homens tem esse mesmo ponto sensível. Meu joelho se chocou com violência no membro dele e ele caiu no chão encolhido. Minha primeira reação foi rir, eu ri tanto que nem percebi que ele já estava se recuperando. No mesmo instante em que Paul vinha avançando em minha direção, eu corri para meu quarto e me tranquei.

Mexi um pouco no tumblr e depois saí do meu quarto e entrei no banheiro. Tomei um longo banho e me vesti (aperte no link que está na cor rosa claro), peguei o secador e o liguei na tomada, comecei a secar meu cabelo e depois retoquei com a chapinha. Comecei a me maquiar, quando meu irmão começou a reclamar.


 Anda Nina, você vai à escola não a um desfile de moda  Meu irmão gritou do corredor  Pra te ajudar, eu posso pegar o cimento e passar nessa sua cara de Samara.

 Fica calado que eu demoro menos.  Terminei de me maquiar depois de uns 5 minutos. Peguei minha bolsa com meu material escolar, desci as escadas devagar. Entrei na cozinha e encontrei meu irmão avaliando o que tinha na geladeira, ele pegou uma maçã e antes que eu pudesse xingá-lo de algo criativo, a campainha toca e Paul senta na bancada me dando um sorriso de “atenda você”. Eu não iria atender, mas se não fizesse isso minha mãe desceria as escadas gritando, minha vontade era de tirar meu sapato e tacar naquela cara falsa dele.

Fui atender a porta e não era ninguém, odeio quando fazem isso, mas adoro fazer com os outros. Gritei da porta que estava indo para o colégio, meu irmão em seguida respondeu falando para eu o esperar, mas fui seguindo meu caminho. Escutei alguém correndo, olhei para trás e vi que era meu irmão atrás de mim, quando ele me alcançou e começou a andar normalmente. Eu e meu irmão brigamos de vez em quando, mas é impossível parar de falar com ele, somos muito unidos apesar das brigas. Depois de algum tempo chegamos no colégio e ele foi ficar com os amigos dele, logo fui na quadra, onde estava todo mundo. Eu falava com quase todo mundo que estava ali, dei oi para elas e fui na Megan, onde estava sozinha.

 Olá!  Disse num tom alegre e me sentei ao lado dela.
 Me passa o trabalho de matemática? Esqueci de fazer.  Ela disse já pegando o material na mochila.
 Tem como dar um simples "oi" primeiro?
 Oi, agora me dá o trabalho.

Dei o trabalho a ela e logo veio minha outra amiga Jenna falar comigo.

 Nina, tão espalhando um boato sobre você e o Michael.

Bufei.

 Que boato?
 Que vocês voltaram!
 Isso é mentira!  Disse quase que explodindo.
 Vou lá falar com ele.  Disse ela e em seguida andou pela quadra rebolando, até chegar nele.

Conheci Jenna no 6º ano, no início eu tinha meio que inveja dela. Motivos: Ela tem um cabelo lindo, castanho e com mechas loiras no final. Tem um corpo magrinho e uma cintura perfeita. Mas como era 6º ano, eu amadureci depois disso e aprendi a gostar de mim mesma.

[...]

Todas as escolas têm panelinhas. As malditas panelinhas... Os normais eram pessoas normais como se é definido no título. Os nerd, seres humanos muito inteligentes; Eu me acho inteligente, até porque tiro notas boas, mas nem por isso sou nerd. Acho esse termo "nerd" errado para usar em pessoas inteligentes, é como se fosse um xingamento. E a famosa panelinha popular. O que falar de uma panelinha onde só há vadias descendo até o chão e que não usam nada além de fio dental nas partes intimas?
Se eu fosse mãe de uma criatura dessa, eu mandava o médico pôr de novo na barriga e ver se nascia certo, ou se não a famosa chinelada na cara resolvia.


Agora estávamos no intervalo, no caso, eu e Megan estávamos conversando quando nosso papo foi interrompido pelo meu irmão e seu amigo.

TO BE CONTINUED..

Espero que leiam a fic gente, beijos! 

2 comentários :